segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Transmissor de FM de 250W

Este potente transmissor fornece uma saída de aproximadamente 250W. Assim, deve se tomar um grande cuidado na montagem deste circuito devido as restrições legais de uso. O propósito desta matéria é apenas didático.

O transistor de saída é o 2SC16315. Todos os transistores devem ser montados em radiadores de calor apropriados e a placa de circuito impresso deve ser de fibra de vidro com trilhas adequadas para suportar a condução de corrente elevada dos transistores, principalmente na saída. A fonte deve ter as saídas de 9V, 12V e 25V com uma corrente de pelo menos 15A. Todos os capacitores são cerâmicos e os resistores de 1W ou 1,5W. A fonte tem que ser bem filtrada e estabilizada. Para o ajuste é necessário usar uma carga fantasma na saída do transmissor. Os trimmers podem ser de qualquer tipo com capacitância apropriada à faixa de FM.

As bobinas têm as seguintes características:
  • L1 - 5 espiras de fio 20 com 1 cm de diâmetro.
  • L2 - 8 espiras de fio 22 com 8 mm de diâmetro.
  • L3 - 7 espiras de fio 18 com 9,5 mm de diâmetro.
  • L4 - 5 espiras de fio 22 com 8 mm de diâmetro.
  • L5 - 8 espiras de fio 18 com 9,5 mm de diâmetro.
  • L6 - 7,5 espiras de fio 22 com 8 mm de diâmetro.
  • L7 - 10 espiras de fio 16 com 1 cm de diâmetro.
  • L8 - 5 espiras de fio 14 com 1,5 cm de diâmetro.
O transistor 2SC16315 pode ser encontrado na Motorola do Brasil.

domingo, 30 de janeiro de 2011

Circuito Transmissor de FM

Este Circuito transmissor de FM serve de base para uma emissora de FM experimental. Deve-se observar as restrições legais de sua operação. A potência de saída deste circuito transmissor de FM, que depende dos transistores usados e da tensão de alimentação, pode ficar entre algumas centenas de miliwatts até aproximadamente 3W.

A etapa osciladora de RF em contrafase pode ser de transistores de baixa potência como o BF494 se a tensão de alimentação 6V ou então transistores de maior potência como o 2N3553 caso em que a alimentação for de 12V.

A frequência de operação deste circuito transmissor FM é dada por L1 que tem 3 espiras de fio de 8/10 mm com tomadas centrais e diâmetro de 8 mm. A operação deste circuito transmissor FM está em uma faixa de frequência que começa em 100 e termina em 108 MHz com ajuste fino feito em C10.

A antena será conectada ao circuito por meio de cabo coaxial de 50 a 70ohms. Um trimmer ligado entre o transmissor e a antena permite o ajuste máximo de ganho. No protótipo, a antena foi uma vareta de antena interna de TV de 90 cm. A modulação vem de um amplificador de áudio com o integrado 741 que aplica seu sinal de áudio diretamente a uma varicap BB105G.

Os capacitores da entrada transmissora devem ser cerâmicos e os resistores de 1/8 ou 1/4W. Os ajustes de ganho do 741 pode ser feito através de alteração do resistor R4 em função da intensidade da fonte de sinal, de modo a se evitar a sobremodulação.

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Transmissor FM de 7Watts

Este post está desatualizado: Acesse o ATUALIZADO AQUI!!

Este transmissor transmite sinais de rádio FM tem um alcance de longa distância e por isso deve-se respeitar as restrições legais quanto ao seu uso. Assim, o objetivo principal desta matéria é apenas didático. Não use este transmissor de rádio para atividades ilícitas.

Com relação aos componentes do rádio FM, temos que os choques possuem as seguintes características: são todos enrolados com fio 24 ou 26 e um núcleo de ferrite com 10mm de comprimento e 6mm de diâmetro (Estes pequenos núcleos podem ser encontrados em rádios FM e televisores da sucata em etapas do circuito de FI).

O circuito deve ser alimentado por uma fonte com boa filtragem e uma disponibilidade de corrente de 3A. Caso contrário, a transmissão pode ser corrompida com o sinal da rede elétrica (ronco de 60Hz) no rádio FM de recepção. Na falta de uma fonte boa, pode-se também utilizar uma bateria de carro. Todas as ligações devem ser curtas e com fios blindados para que a recepção do rádio FM fique boa. É também importante que o transmissor de FM seja montado em uma caixa metálica.
  • L1 é formada por 20 espiras de fio 24 em núcleo de ferrite de 6mm de diâmetro. Esta bobina deve ser blindada em uma caixa de alumínio e deve também ter conexão ao terra.
  • L2 é formada por 10 espiras de fio 22 com núcleo ajustável de ferrite de 6mm de diâmetro.
  • L3 é formada por 8 espiras de fio 22 com núcleo ajustável de ferrite de 6mm de diâmetro.
  • L4 é formada por 6 espiras de fio 16 com núcleo de ar com diâmetro de 1cm e espaçamento de 1 mm entre espiras.
Todos os capacitores são cerâmicos, exceto C12 que é eletrolítico. Os transistores devem ser montados em bons dissipadores de calor.

Os trimmers são comuns de base de porcelana com 30 a 50 pF de capacitância.


Transmissor AM

Um transmissor AM pode ser montado de acordo com o circuito ilustrado pela figura abaixo. Este esquema elétrico é de um pequeno transmissor AM que transmite sinais de audio para um receptor de AM sintonizado em torno da faixa de frequência de 800kHz.

 A bobina osciladora é comum e deve possuir um núcleo para ajustar a faixa de transmissão e não interferir em outra emissora de rádio.O trimpot é um ajuste que controla o melhor rendimento sem que haja distorção. A antena utilizada pode ser um pedaço de fio esticado e a alimentação pode ser feita com tensões entre 6 e 9V. O mais importante é que a fonte de alimentação tenha uma boa filtragem para evitar interferências da rede elétrica (Um zumbido de 60Hz, por exemplo). Os capacitores do circuito podem ser cerâmicos ou de poliester.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Coleção de Revistas de Eletrônica

Outra vez venho com mais uma coleção de revistas de eletrônica famosas. São vários exemplares clássicos da década de 80 e 90. Fique à vontade e aproveite os downloads.

- Revista Circuitos & Informações.
- Revista Aprendendo e praticando eletrônica
- Revista Divirta-se com a eletrônica
- Revista Antenna
- Eletrônica Básica
- Antena eletrônica e popular
- Revista Nova Eletrônica Parte1
- Revista Nova Eletrônica Parte2
- Revista Nueva Electronica
- Revista Elektor - Espanha
- Revista Elektor - Portugal
- Revista Elektor Eletrônica - Brasil
- Revista Saber Eletrônica
- Transmissão e recepção (PX, PY, VHF, etc)

Também aproveito para apresentar outras fontes muito boas.
- Jonas Bairros
- Circuitos Rosa

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

O rádio cognitivo

O atual sistema de uso do espectro de freqüências atribui uma faixa para cada usuário emissor, faixa esta que não pode ser usada por outros emissores, mesmo que não esteja em uso. Há um grande desperdício deste recurso precioso, e finito, que é o espectro de freqüências. Principalmente abaixo de 3GHz.

Estão em curso estudos que viabilizarão o uso de faixas já atribuidas pela ANATEL, temporáriamente, por outros usuários.

O detentor da faixa de freqüências é chamada de Rede Primária. Ele não poderá ser interferido sempre que desejar utilizar a banda alocada a ele. A Rede Secundária poderia usá-la enquanto a percebe inativa.

Para isto são empregados Rádios Cognitivos, apoiados pelos SDR (Software Defined Radios). Este tipo de equipamento é possível mudar a freqüência da portadora de transmissão, ressintonizar o receptor, mudar o tipo de modulação e processamento de Banda Básica por programa armazenado. É um rádio que poderia ser utilizado para, em um dado momento, estar transmitindo GSM, em outro momento CDMA, etc.

Para tanto, o Rádio Cognitivo (RC) age de maneira oportunística, varrendo o espectro de freqüências para “sentir” as faixas que estão ociosas (sem transmissão) e qual a largura destas faixas. Em seguida o CR determina qual faixa precisa usar (quando se necessita de QoS a faixa necessária, normalmente, é mais larga) e começar a transmitir nela. Se o CR “sentir” que o detentor da faixa, a Rede Primária, começou a transmitir, ele para a transmissão, liberando a faixa, e procurar outra faixa apropriada, continuando a transmissão (hand-off), de maneira transparente para os usuários, pelo menos tanto quanto possível.

Muita pesquisa precisa ser feita para vencer os vários obstáculos ainda existentes até o ponto em que o Rádio Cognitivo esteja pronto para ser adotado. Aí teremos um alívio no uso de determinadas freqüências, principalmente em cidades já sem faixas disponíveis como é São Paulo.